Lugares & Acontecimentos

Viagens & Expedições

Memórias & Relatos

 

  As Viagens Filosóficas
| Alexandre Rodrigues Ferreira | João da Silva Feijó | Joaquim José da Silva |
| Manoel Galvão da Silva | Hipólito José da Costa |
As Expedições
| Francisco José de Lacerda e Almeida | Antônio Pires da Silva Pontes |

 

Vila Bela - Mato Grosso

 

Memória de Antônio Pires da Silva Pontes

 

VIAGENS & EXPEDIÇÕES

Antônio Pires da Silva Pontes

Antônio Pires da Silva Pontes Leme nasceu em 1750, na comarca de Mariana, Minas Gerais.

Por volta de 1772, seguiu para Coimbra. Nos dez anos seguintes, sua trajetória esteve associada à de Francisco José de Lacerda e Almeida. Amigos e aparentados, os dois brasileiros formaram-se em Matemática e Filosofia e obtiveram o grau de doutor em Matemática no ano de 1778.

Cerca de dois anos após deixar os bancos de Coimbra, Pontes e Lacerda e Almeida foram designados pela coroa para cumprir uma missão no ultramar. Nomeados como matemáticos astrônomos da Terceira Partida de Demarcação de limites do Brasil, os dois jovens doutores compunham o corpo técnico da expedição que partiu do porto de Lisboa em janeiro de 1780, em direção ao Pará. Depois de formados, era a primeira vez que ambos retornavam ao Brasil, agora na condição de servidores régios. Em algumas etapas dessa expedição, que durou cerca de dez anos, Pontes esteve junto com Lacerda e Almeida, outras, viajou em companhia do engenheiro Ricardo Franco de Almeida Serra. Depois de percorrerem os principais rios e explorarem os limites ocidentais da Amazônia, tomando as coordenadas geográficas para corrigir e refazer os mapas existentes, Pontes e seus companheiros partiram para o Mato Grosso. Conforme haviam aprendido nas aulas de Coimbra, os viajantes cientistas mantinham um diário de viagem no qual anotavam o percurso, os acidentes geográficos do caminho e os acontecimentos cotidianos. As viagens pelos sertões amazônicos, bem como as jornadas pelos rios matogrossenses e pelos caminhos de água pantaneiros, foram registrados nos diários de Pontes e de Lacerda e Almeida. A missão dos matemáticos astrônomos demarcadores era, prioritariamente, definir os pontos ideais para fixação dos limites territoriais da América portuguesa, nesse sentido, os apontamentos sobre os acidentes geográficos e a precisão cartográfica constituíam a parte mais importante de seu trabalho. Contudo, os diários de viagem de Pontes revelam muito do olhar do naturalista ilustrado, treinado para observar e inventariar todos os aspectos da natureza envolvente.

Os diários e as cartas geográficas relativos à expedição pelos sertões do Brasil foram encaminhados para a Academia Real de Ciências de Lisboa que concedeu aos dois matemáticos a honraria de admiti-los como sócios.

De regresso a Portugal, Pontes continuaria a trabalhar com Lacerda e Almeida como professores na Academia de Marinha.

Entre 1797 ou 1798, missões semelhantes separariam para sempre os caminhos dos dois matemáticos. Lacerda e Almeida foi nomeado governador dos Rios de Sena, incumbido de realizar a viagem à contra-costa africana. Pontes retornou ao Brasil para assumir, em 1801, o governo do Espírito Santo.

 

.......... OBRAS

PONTES, Antônio Pires da Silva. Diário de viagem. 1781. In: MENDONÇA, Marcos Carneiro de. Rios Guaporé e Paraguai, primeiras fronteiras definitivas do Brasil. Rio de Janeiro: Xerox do Brasil, 1985.

_____. Memória sobre a utilidade pública de se extrair o ouro das minas e os motivos dos poucos interesses que fazem os particulares, que mineram igualmente no Brasil. REVISTA DO ARCHIVO PUBLICO MINEIRO, v.1, n.3, 1896. p.418-426.

_____. Viagem de reconhecimento das comunicações do Brasil com a colônia holandesa do Surinã. RIHGB, n.6, 1865. 2.ed. p.82-90.

 

.......... O QUE LER

COSTA, Maria de Fátima. História de um país inexistente, o pantanal entre os séculos XVI e XVIII. São Paulo: Kosmos 1999.

CRUZ, Ana Lúcia Rocha Barbalho. As viagens são os viajantes: dimensões identitárias dos viajantes naturalistas brasileiros do século XVIII. HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES, n.36, 2002. p.61-08.

 

.......... DOCUMENTOS

PONTES, Antônio Pires da Silva. Memória sobre a casca de Cunga-assá. (1800)

Petição do tenente da marinha e lente de Matemática António Pires da Silva Pontes Leme a D. Maria I na qual solicita a nomeação para tenente-coronel do regimento de cavalaria de Minas. (1796)

 

Magnus Pereira & Ana Cruz